Notícias

« Voltar

NovaBR: tecnologia e segurança para as novas etapas do projeto

15.04.2019

Equipamentos de alta tecnologia em construção civil serão utilizados nas obras de requalificação da rodovia BR-316, do Governo do Estado. Máquinas, caminhões e as equipes envolvidas utilizarão recursos de última geração para uma obra de qualidade com redução de impactos ambientais.

“Somos uma empresa com capacidade técnica reconhecida nacional e internacionalmente por realizar importantes obras de infraestrutura no Brasil e no mundo. A tecnologia embarcada na obra de requalificação da BR-316 permitirá otimizar tempo e recursos, e zelar pela segurança dos nossos integrantes. Ao fim das obras, a população paraense terá acesso a um equipamento moderno e seguro”, afirma André Araújo, gerente de contrato da NovaBR, construtora Odebrecht Engenharia e Construção Internacional (OECI).

O asfalto a ser produzido para a NovaBR será mais puro e sustentável, conforme explica o engenheiro Paulo Jeffery, responsável pelos equipamentos do projeto. “As Centrais Industriais de Asfalto e Concreto são mais econômicas no consumo de combustíveis e possuem filtragem de materiais particulares, que permitem uma emissão de gases livres de contaminação ao meio ambiente”.

Para isso, são utilizados 500 filtros para limpeza do Cimento Asfáltico de Petróleo (CAP), produzindo um material de qualidade e consistente, próprios para o uso na construção e manutenção de pavimentos asfálticos. Uma obra do porte da NovaBR pode chegar a consumir 86 mil toneladas de asfalto. Outra inovação é o Sistema de Monitoramento Íris, da OECI, que mantém o acompanhamento remoto de equipamentos de grande porte, como, por exemplo, guindastes, rolos compactadores, centrais de britagem e tuneladoras.

O sistema permite administrar frotas próprias de equipamentos pesados distribuídos em canteiros de obras por todo o Brasil e até mesmo no exterior. Nas obras da NovaBR, o sistema irá monitorar as cerca de 180 máquinas utilizadas para a requalificação total da rodovia, do Entroncamento a Marituba. O monitoramento é feito por meio de um sistema de GPS que permite acompanhar em tempo real e via satélite os detalhes das operações, como controle de velocidade por área, número de viagens e paradas dos equipamentos e, uso de combustível. “Esse acompanhamento é fundamental para controlarmos o avanço das obras e garantir a segurança dos integrantes nos nossos canteiros”, afirma Jeffery.

Os investimentos em segurança e sustentabilidade se estendem também aos profissionais que atuarão com esse maquinário. Em um Centro de Treinamento, em instalação no canteiro de obras Ananindeua, as equipes receberão qualificação, inclusive dos fabricantes das máquinas, por meio de aulas de Ensino à Distância (EAD) em que serão treinados para operação e manutenção dos equipamentos. A estrutura de EAD tem com capacidade de treinar até 32 pessoas por dia, onde serão oferecidos mais de 50 cursos básicos.

O próximo passo na capacitação dos integrantes é o uso de simuladores com cenários e exercícios que conseguem trazer para um ambiente controlado a realidade das operações em campo. Serão dois simuladores, um de caminhão basculante e outro de escavadeira hidráulica de esteira, com cabines e estrutura que recriam os comandos e movimentos dos equipamentos, tornando a operação muito mais real e precisa.

Etapas das obras Neste primeiro momento, ainda de período de inverno amazônico, os trabalhos estão voltados, dentro do cronograma, para obras civis e a retirada de interferências, como postes, cabos e tubulações, deixando para o período mais seco, as etapas de terraplanagem, pavimentação e escavações de drenagem.

A Ordem de Serviços foi assinada pelo Governo em dezembro do ano passado. No dia 15 de janeiro deste ano, o governador Helder Barbalho anunciou oficialmente o início das obras, a partir das etapas de construção das estações de passageiros, do Centro de Controle Operacional (CCO), o remanejamento dos postes que estão dentro da faixa de domínio da obra. Nesta etapa também há a preparação do solo e das fundações no canteiro central da rodovia para a construção das estações de passageiros e das passarelas dos números 4, 6, 7 e 9, além de sondagem para a substituição de material onde for necessário e lançamento de concreto.

Todas as áreas de intervenção na rodovia já estão sinalizadas e protegidas por tapumes para garantir a segurança na área. A intervenção na via consiste em transformar a rodovia urbana em uma avenida com a implantação de pistas com três faixas de rolamento com pavimento flexível nos dois sentidos, uma faixa em cada sentido exclusiva para o BRT (Bus Rapid Transit), duas ciclovias, sendo uma em cada sentido, gramado próximo à ciclovia, dois passeios para circulação de pedestres com 2,5 metros de largura, faixa de piso tátil, rampas de acessibilidade e mobiliário urbano.

Além disso, estão previstos dois terminais do BRT, quatro túneis de acesso subterrâneo aos terminais e o viaduto de Ananindeua, que permitirá a ligação direta entre as áreas ao sul da BR-316, como conjunto Julia Seffer e Aurá à Cidade Nova. O sistema vai disponibilizar serviço de transporte público que atenderá a uma população de cerca de 1 milhão de pessoas. A estimativa é que, quando concluído, contribua para reduzir pela metade o tempo da viagem até o centro de Belém.

Diálogo Um trabalho está sendo realizado junto aos moradores e comerciantes ao entorno das obras levando informação no que diz respeito às vias alternativas de tráfego, prazos e etapas previstas em cada trecho. As ações previstas atendem a legislações federal, estadual e municipais, além das normas ambientais vigentes, assim como procedimentos e recomendações estabelecidos no Plano de Controle Ambiental (PCA).

Além de um paisagismo voltado para a preservação de espécies e arborização do percurso, serão ativadas ações socioambientais para proveito da população em parcerias com prefeituras e comunidades locais. Todas as etapas da obra serão previamente comunicadas por diferentes meios, como visitas das equipes da NovaBR, informações disponibilizadas pelas redes sociais ou pelo site www.novabr316.com.br.

« Voltar