Notícias

« Voltar

Iniciadas obras de requalificação da BR-316

14.01.2019

Intervenções na rodovia, conduzidas pela Odebrecht Engenharia e Construção, otimizam tráfego e mudam paisagem da entrada da capital paraense

Começam oficialmente nesta terça-feira (15) as obras de requalificação da BR-316, principal via de acesso rodoviário à capital paraense. As obras do Sistema Troncal de Ônibus da Região Metropolitana de Belém serão executadas pela Odebrecht Engenharia e Construção, vencedora de licitação internacional que conta com aporte de recursos da agência de fomento do Japão, a Jica. A ordem de serviços já foi assinada pelo Governo do Estado.

O projeto abrange trechos que cruzam os municípios de Belém, Ananindeua e Marituba somando 10,8 quilômetros de extensão. Trata-se de uma obra para otimizar a mobilidade interna, hoje fortemente prejudicada pelo aumento no fluxo de transporte e alto incremento de veículos na frota do estado, aliado à necessidade de um sistema eficiente de transporte público por ônibus na RMB.

A intervenção na via consiste na implantação de pistas com três faixas de rolamento com pavimento flexível nos dois sentidos, uma faixa em cada sentido exclusiva para o BRT (Bus Rapid Transit), duas ciclovias, sendo uma em cada sentido, gramado próximo à ciclovia, dois passeios para circulação de pedestres com 2,5 metros de largura, faixa de piso tátil, rampas de acessibilidade e mobiliário urbano.    

Também serão instaladas estações de passageiros e passarelas de pedestres ao longo do canteiro central. Além disso, estão previstos dois terminais do BRT, o Centro de Controle Operacional, quatro túneis de acesso subterrâneo aos terminais e o viaduto de Ananindeua, que permitirá a ligação direta entre as áreas ao sul da BR, como conjunto Julia Seffer e Aurá à Cidade Nova. O sistema vai disponibilizar serviço de transporte público que atenderá a uma população de cerca de 1 milhão de pessoas. A estimativa é que, quando concluído, contribua para reduzir pela metade o tempo da viagem até o centro de Belém.

“A Odebrecht Engenharia e Construção é uma empresa com capacidade técnica reconhecida nacional e internacionalmente por realizar importantes obras de infraestrutura no Brasil e no mundo. É com muita satisfação que executaremos o projeto de requalificação das pistas da BR-316, uma intervenção que vai além da construção de um corredor de ônibus. O projeto prevê a recuperação de calçadas, instalação de iluminação moderna e obras de drenagem que trarão mais conforto e segurança para os cidadãos”, explica André Araújo, gerente de contrato da Odebrecht Engenharia e Construção Internacional, responsável pela obra.

As primeiras ações do projeto serão obras civis, deixando para o verão as etapas de terraplanagem, pavimentação e escavações de drenagem. Será priorizada a construção do Centro de Controle Operacional (CCO), na avenida Augusto Montenegro, e das estações de embarque e passarelas para pedestres ao longo da BR-316. O isolamento das áreas será feito em parcerias com o Detran e com as secretarias estadual e municipal de Trânsito.

A próxima etapa será a construção de dispositivos de drenagem, necessários para evitar alagamentos na pista, como sarjetas, bocas de lobo, caixas de inspeção e passagem, e tubulação de drenagem profunda, com diâmetros entre 800mm e 1.500mm, fazendo a coleta e condução dos efluentes. As ruas impactadas pelas obras de drenagem serão entregues pavimentadas e com as calçadas recuperadas para a população.

Será necessário, ainda, o remanejamento das chamadas interferências, ou seja, retiradas, relocações e reinstalações de redes de água, saneamento, energia elétrica, fibra e telefonia. “Sabemos que uma intervenção dessa dimensão acabará causando impactos aos moradores da região e a quem utiliza a via na sua rotina. Nosso esforço, desde que desenvolvemos o projeto de requalificação da BR-316, está focado em minimizar ao máximo qualquer desconforto para os cidadãos paraenses e disponibilizar rotas alternativas sempre que necessário. Ao fim do período de obras, a população terá acesso a um equipamento moderno e seguro”, garante Araújo.

BRT – Além da instalação das pistas exclusivas por onde circularão os ônibus, o projeto prevê a construção de 26 estações de passageiros e 13 passarelas de pedestres ao longo do atual canteiro central da via, dois terminais do BRT e o Centro de Controle Operacional (CCO).

O CCO será construído e instalado em prédio novo, exclusivamente destinado a essa função. Abrigará mão-de-obra qualificada, equipamentos e sistemas eletrônicos para rede de comunicações (incluindo sistemas para monitoramento de segurança), bloqueios de acessos a estações e terminais, painéis de mensagens, controles de portas automáticas e contagem de passageiros, além de centralizar o controle dos semáforos. Essa estrutura vai gerir todo o Sistema de Controle Operacional do BRT, ou seja, o Metropolitano e o Municipal.

Integrações – Para garantir fluidez e segurança do trânsito foi necessária a concepção de passagens subterrâneas para acesso aos Terminais de Ananindeua e Marituba, e viaduto sobre a BR-316, facilitando o acesso dos ônibus do BRT a partir da pista central aos terminais e interligando a área do Terminal de Ananindeua e a pista de pavimento flexível da BR-316 às vias da malha existente atualmente.

O ponto inicial do BRT será o Terminal de Marituba, localizado no KM 10,7 da BR-316, próximo à Alça Viária, e permitirá a integração das linhas alimentadoras que vêm de Marituba. Já em Ananindeua o terminal ficará no KM 6,5 da rodovia, em frente à sede campestre da AABB (Associação Atlética Banco do Brasil). Nesses terminais serão ofertados serviços à população, como acesso a internet sem fio (wi-fi), ou mesmo da “Estação Cidadania”, que reúne atendimentos prestados por vários órgãos públicos.

Vagas de emprego – A construtora responsável pelas obras tem em suas premissas a contratação de mão-de-obra prioritariamente local para as atividades. Por isso, realiza parceria com o Sistema SINE, responsável pela triagem dos perfis profissionais para cada vaga disponibilizada e pelo encaminhamento dos interessados, que devem atualizar os seus cadastros junto ao órgão, presencialmente nos pólos de Belém e Ananindeua ou através de um pré-cadastro on-line no site da instituição, como forma de agilizar o atendimento.

Para organizar o processo, não há recebimento de currículos no canteiro de obras. A preferência será dada a pessoas residentes no entorno do trecho que passará por intervenções e a oferta de postos de trabalho ocorrerá de forma gradual, de acordo com a evolução do projeto. A estimativa é que cerca de mil pessoas estejam empregadas no pico da obra.

Diálogo com a população – Moradores e comerciantes serão informados com a máxima brevidade sobre vias alternativas de tráfego, prazos e obras previstas em cada trecho. As ações previstas atendem a legislações federal, estadual e municipais e normas ambientais vigentes, assim como procedimentos e recomendações estabelecidos no Plano de Controle Ambiental (PCA). Além de um paisagismo voltado para a preservação de espécies e arborização do percurso, serão ativadas ações socioambientais para proveito da população, em parcerias com prefeituras e comunidades locais.

Sobre a Odebrecht Engenharia e Construção –Ao longo de sua história de 74 anos, a unidade de Engenharia e Construção do Grupo Odebrecht foi responsável pela execução de mais de 2.500 obras de grande porte como usinas hidrelétricas, térmicas e nucleares, além de pontes, viadutos, túneis, linhas de metrôs e trens urbanos, aeroportos, portos, ferrovias e obras industriais.

Em 2018, a Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) foi reconhecida pelo sexto ano consecutivo pelo prêmio internacional Global Best Projects, promovido pela revista norte-americana ENR, considerado o “Oscar da Engenharia”, pela obra da Linha 5 do Metrô de São Paulo. Em 2017, a OEC já havia sido premiada pelos projetos do Aeroporto Internacional do Galeão e do Parque Olímpico, ambos no Rio de Janeiro.

Informações à Imprensa
Yvana Crizanto
Assessora de Comunicação
(91) 9.8138-7691
yvana.crizanto@inpressoficina.com.br

« Voltar